Sabia que ingerir fruta fresca pode ajudar no controlo da asma? Descubra como a nutrição pode influenciar esta doença.

asma é uma doença inflamatória das vias aéreas, caracterizada pelo estreitamento dos brônquios, de que resulta a sensação de dificuldade respiratória e a pieira. Uma patologia crónica, com uma prevalência mundial elevada que afeta cerca de 300 milhões de pessoas. Segundo o Inquérito Nacional de Prevalência de 2010, Portugal registou 6.8% de pessoas afetadas.

Esta patologia apresenta uma maior incidência na infância, no entanto pode manifestar-se nos diferentes grupos etários, constituindo assim um problema de saúde pública. 

A prevalência da asma tem sido associada a alterações no contexto ambiental e estilo de vida, havendo diversos estudos realizados sobre o impacto da nutrição e dos padrões alimentares relacionados com esta temática. 

A associação de nutrientes com propriedades antioxidantes, rácio de ácidos gordos polinsaturados n-6 e n-3, bem como a deficiência de vitamina D, são alguns dos tópicos estudados na área que mostram resultados promissores e necessidade de aprofundamento. A alteração do perfil lípidico, adequeação do rácio de gorduras polinsaturadas e a utilização de antioxidantes (vitamina E, C, carotenoides, selénio, polifenóis e frutas) mostram um efeito protetor em diversos estudos, evidenciando, no entanto, a necessidade de aprodundar estas hipóteses para a criação de uma evidência robusta. 

Por outro lado, estudos observacionais relacionados com a suplementação com estes nutrientes não evidenciaram benefícios significativo, não havendo assim evidência suficiente para a utilização complementar no tratamento convencional da asma. 

Gravidez

A intervenção nutricional na gravidez tem tido especial interesse, devido ao seu potencial papel na redução da asma infantil. Existem alguns estudos que associam a asma infantil e a redução da ingestão de alguns nutrientes na gestação, nomeadamente a vitamina E, vitamina D, selénio, zinco e gorduras polinsaturadas. Embora exista a sugestão de que possa ser vantajoso a utilização da vitamina D e a adequação das gorduras polinsaturadas, são necessários mais estudos para estabelecer se é viável uma alteração dos hábitos alimentares na gestante, como medida de redução na prevalência da asma infantil. 

Mulher a comer salada | Asma e Nutrição | Holmes Place

Dieta Mediterrânica

A utilização da dieta Mediterrânica tem sido associada a um melhor controlo da asma em adultos, devido ao seu teor de antioxidantes e alimentos com propriedades anti-inflamatórias, tendo sido também observados resultados na gravidez e infância. A utilização da fruta fresca no controlo da asma e de frutos oleaginosos no controlo da função respiratória, são alguns dos exemplos dos benefícios descritos.

Obesidade

Por outro lado, o estudo da obesidade e a sua influência no doente asmático também tem sido alvo de interesse. O aumento da prevalência da obesidade tem sido associado ao aumento da incidência e prevalência de asma em Portugal, sendo importante a intervenção nutricional nestes casos. 

Nutrição e Asma

A associação entre a alimentação e a asma tem sido abordada em diversos estudos ao longo dos anos, evidenciando alguns resultados promissores com potencial impacto clínico. 

Os resultados descritos evidenciam a complexidade da adequação alimentar e realçam a importância do estudo das interações nutricionais e da associação com diferentes padrões alimentares e estilos de vida – a importância de olhar para alimentação de uma perspetiva globa e sinérgica.

Em suma, é fundamental realçar que a alimentação pode ter um papel benéfico na asma que se baseia na interação nutricional e efeito combinado de determinados alimentos. Devendo também existir uma monitorização do estado nutricional, atividade física e ingestão alimentar no contexto da nutrição clínica, em complemento com a terapêutica ajustada. 

Inês Santos Filipe

Nutricionista Holmes Place Cascais

Referências Bibliográficas:

Allan K, Devereux G (2011) Diet and asthma: nutrition implications from prevention to treatment. J Am Diet Assoc 111:258–268

Boeing, H., Bechthold, A., Bub, A. et al. Critical review: vegetables and fruit in the prevention of chronic diseases. Eur J Nutr 51, 637–663 (2012). https://doi.org/10.1007/s00394-012-0380-y

Castro-Rodriguez, J. A., & Garcia-Marcos, L. (2017). What are the effects of a Mediterranean diet on allergies and asthma in children?. Frontiers in pediatrics, 5, 72.

Direção-Geral da Saúde – Inquérito Nacional de Prevalência de Asma (2010). Disponível em: https://www.dgs.pt/documentos-e-publicacoes/sumario-do-inquerito-nacional-de-controlo-da-asma-pdf.aspx

Guilleminault, L., Williams, E. J., Scott, H. A., Berthon, B. S., Jensen, M., & Wood, L. G. (2017). Diet and Asthma: Is It Time to Adapt Our Message?. Nutrients, 9(11), 1227. https://doi.org/10.3390/nu9111227

Hollams, E. M., Teo, S. M., Kusel, M., Holt, B. J., Holt, K. E., Inouye, M., … & Holt, P. G. (2017). Vitamin D over the first decade and susceptibility to childhood allergy and asthma. Journal of Allergy and Clinical Immunology, 139(2), 472-481.

Jolliffe, D. A., Greenberg, L., Hooper, R. L., Griffiths, C. J., Camargo Jr, C. A., Kerley, C. P., … & Martineau, A. R. (2017). Vitamin D supplementation to prevent asthma exacerbations: a systematic review and meta-analysis of individual participant data. The lancet Respiratory medicine, 5(11), 881-890.

Kandikattu, H. K. (2018). Oxido-nitrosative stress and antioxidants in asthma. Int. J. Basic Clin. Immonol, 1(1-2), 9-12.

McKeever TM, Britton J (2004) Diet and asthma. Am J Respir Crit Care Med 170:725–729

Rezaei, S., Aryan, Z., Rezaei, N., & Mahmoudi, M. (2019). Vitamins and Allergic Asthma. In Nutrition and Immunity (pp. 323-345). Springer, Cham.

Wood, L. G. (2017). Diet, obesity, and asthma. Annals of the American Thoracic Society, 14(Supplement 5), S332-S338.

Publicado em Nutrição and tagged nutrição, asma, saúde, gravidez, obesidade.

24h LIVE STATS

  • 111,914
  • 1,050,582
  • 20,201
error: Content is protected !!