A ficção científica está repleta de super-heróis que possuem dons sobrenaturais. Mas a verdade é que alguns humanos comuns também têm capacidades especiais e muitas vezes não sabem.

Falo das vantagens genéticas que uma parte muito pequena da população tem. Essas vantagens surge graças à mutação genética, um processo natural que altera o DNA.

Aqui estão alguns exemplos das vantagens que poderá ter graças aos genes…

Visão subaquática perfeita.

A maioria de nós vê tudo embaçado se abrimos os olhos quando estamos submersos na água. Isto é devido a um problema na física: a densidade da água é semelhante à do fluido ocular e a luz refratada não consegue penetrar bem no olho. É por isso que os humanos só podem ver bem quando estamos em contacto com o ar.

Mas há uma exceção: o povo Moken, que habita o mar de Andaman, numa porção do Oceano Índico entre a Birmânia e a Tailândia. Esta tribo é conhecida como os “ciganos do mar” porque passam a maior parte do ano em barracos na água ou em barcos, e só vão para a terra para se abastecerem de alimentos.

 Acredita-se que esta mutação genética surgiu porque os Moken passam muito tempo debaixo de água, recolhendo a comida do fundo do mar e pescando no fundo do mar.

Uma pesquisa científica publicada em 2003 na revista Current Biology revelou que a mutação genética dos Moken faz com que os olhos mudem de forma sob a água. Isso permite que a luz seja refratada corretamente quando entra nos olhos e torna possível para ver claramente, mesmo submerso a mais de 20 metros abaixo da água.

Tolerância ao frio.

Outra vantagem genética observada em alguns povos tem a ver com a capacidade de suportar baixas temperaturas.

O corpo humano tem uma faixa normal de temperatura que varia entre 36,5 e 37,5 ℃. É por isso que a maioria dos seres humanos está melhor preparada para lidar com climas quentes do que com climas frios.

Um corpo normal não pode suportar frio extremo. Mas existem algumas populações que têm essa capacidade, graças aos genes especiais. Tribos como os Inuits, que habitam o Ártico ou os Nenets, que vivem no norte da Rússia, adaptaram-se a temperaturas congelantes.

Os seus corpos respondem de modo diferente ao frio porque são biologicamente diferentes. Por exemplo, eles não tremem de frio, têm menos glândulas sudoríparas, a pele é muito mais quente que o normal e o metabolismo tem taxas muito mais altas. Esta capacidade é puramente genética. Se está a pensar mudar-se para o Pólo Norte e viver por lá décadas, não conseguirá adquirir as incríveis capacidades destes povos com estas mutações.

Menos horas de sono.

Uma capacidade que poderia ter, sem pertencer a nenhuma tribo é trabalhar bem com menos horas de sono do que o habitual. Vários estudos mostraram que a maioria das pessoas precisa dormir entre 7 e 9 horas para sentir-se descansada.

Dormir menos pode causar problemas de concentração e de saúde física e mental. No entanto, um estudo realizado em 2014 levou a Academia Americana de Medicina do Sono a descobrir que existe uma mutação genética que permite que algumas pessoas precisem de menos horas de sono.

Estas, com o gene DEC2 mutado têm a capacidade de ter um sono  mais intenso, o que torna o repouso mais eficaz. Com 6 horas de sono ou menos, sentem-se completamente descansados e prontos para enfrentar o dia de trabalho. No entanto, especialistas esclarecem que esta mutação afeta uma porção extremamente pequena de pessoas – menos de 1% das pessoas que relatam dormir pouco. O normal é necessitar de pelo menos 8 horas de sono descansado para o equilíbrio do corpo e mente.

Ossos mais densos.

A maioria dos nossos esqueletos está a perder densidade e massa óssea à medida que envelhecemos. É conhecida como osteoporose e pode gerar fraturas e deformações.  Mas existem pessoas que têm uma mutação num gene chamado SOST, que controla a proteína esclerostina que regula e controla o crescimento dos ossos.

Um estudo conduzido por cientistas da Chiroscience em Bothell, Washington, descobriu que aqueles que têm essa mutação não perdem massa óssea à medida que envelhecem.

Com esta mutação, os ossos continuam a acumular densidade e massa com o passar do tempo, dando-lhes o esqueleto de uma pessoa muito mais jovem.

Esta alteração genética foi encontrada em pessoas de origem holandesa que vivem na África do Sul. Agora os cientistas estão a procurar formas de replicar esta mutação para permitir que outros revertam o envelhecimento de seus ossos.

Adaptação a alturas.

Esta doença de altitude ou doença de montanha geralmente causa tontura, baixa pressão, dor de cabeça e distúrbios respiratórios.

Há muitos truques que são aconselhados a evitá-lo: mova-se devagar, coma pouco, não faça grandes esforços, mastigue. Alguns recorrem a medicamentos. A maioria de nós sofre com a altura. No entanto, não é um problema que afeta as populações que vivem nas montanhas.

Estudos realizados sobre o Quechua dos Andes e os tibetanos dos Himalaias mostraram que eles têm vantagens genéticas que lhes permitiram adaptar-se ao seu ambiente. Os torsos são maiores e têm maior capacidade pulmonar, o que lhes permite incorporar mais oxigénio a cada inspiração. Enquanto a maioria das pessoas produz mais glóbulos vermelhos quando o corpo recebe pouco oxigénio, eles produzem menos.

Estas características são mantidas mesmo quando as populações se deslocam para lugares inferiores, uma vez que fazem parte dos seus genes.

Visit Partner Link

Lifestyle Spots

Lifestyle Travel

Lifestyle.tv

IDIOMA | SELECT LANGUAGE

Subscreva Newsletter Lifestyle

24h LIVE STATS

  • 60,074
  • 912,858
  • 17,372