Será que a dieta alimentar tem influência na esclerose múltipla? Veja as nossas recomendações.

Esclerose Múltipla é uma doença auto-imune, crónica, inflamatória e desmielinizante do sistema nervoso central, que se inicia habitualmente entre os 20 e os 40 anos de idade com maior prevalência no sexo feminino.

De etiologia ainda desconhecida, a Esclerose Múltipla parece resultar de uma interação de diversos fatores, nomeadamente, genéticos e ambientais, com uma relação entre estes. Sendo uma doença crónica, o tratamento incide no alívio dos sintomas e no atraso na progressão da doença, levando a que muitos doentes procurem terapêuticas alternativas ou complementares, entre as quais a dieta e a suplementação.

O papel da dieta e da suplementação nutricional na Esclerose Múltipla tem vindo a ser estudado, tanto pela sua importância no alívio da sintomatologia como na modulação no estado inflamatório e consequente progressão da doença.

Atualmente não existe consenso sobre o papel da dieta no atraso da evolução da doença, não havendo ainda uma dieta específica e clinicamente provada. No entanto, o aumento das incapacidades decorrentes da doença, nomeadamente no que toca à capacidade de auto-alimentação, deglutição e coordenação, faz com que exista um risco de carências nutricionais.

A intervenção nutricional na Esclerose Múltipla tem como objetivo a diminuição da inflamação e consequente sintomatologia associada. Têm sido testadas até à data diversas dietas, ainda sem evidência na sua eficácia.

Hiperenergéticas vs restrição energética

Diversos estudos efetuados neste âmbito mostram que dietas hipercalóricas, com elevado aporte de gorduras saturadas e ácidos gordos “trans” promovem a inflamação, enquanto que a utilização de uma dieta com restrição calórica, ácidos gordos polinsaturados n-3 e antioxidantes, evidenciam o efeito oposto.

Nutrição e Esclerose Múltipla | Gordura | Holmes Place

O papel da gordura

O tecido nervoso é constituído por lípidos (gordura), sendo importante garantir uma ingestão recomendada de 30% do valor energético total e uma restrição dos ácidos gordos saturados. Os ácidos gordos polinsaturados apresentam um papel de destaque, devido à sua constituição no Sistema Nervoso Central, com especial foco na potencial relação do consumo de ácidos gordos polinsaturados n-3 e a menor incidência da doença.

O papel da proteína

A ingestão proteica é particularmente importante nos doentes que apresentam locomoção reduzida, dado o risco de desenvolvimento de úlceras de pressão, perda de peso involuntária e perda de massa magra. A ingestão proteica recomendada é de 15-20% do valor energético total.

Nutrição e Esclerose Múltipla | Vitaminas | Holmes Place

O papel das vitaminas

O papel benéfico de algumas vitaminas tem sido evidenciado em diversos estudos, nomeadamente no que se refere aos polifenóis (curcumina, quercetina, luteolina, resveratrol) e as vitaminas (A, C, D, E e B12).

No entanto, é a vitamina D que apresenta um papel de destaque.

A vitamina D é uma pro-hormona esteroide lipossolúvel, sintetizada maioritariamente de forma endógena pela exposição solar a radiação UVB e de forma mais reduzida obtida através da alimentação.

Vários estudos têm enfatizado a importância da vitamina D na prevenção e progressão da doença, parecendo imprescindível para a melhoria do estado clínico. Neste sentido, a medição dos seus níveis séricos deve fazer parte dos exames de rotina para uma prescrição adequada.

No que toca a fontes alimentares, salienta-se: óleos de peixe, peixes gordos, leite e em menor quantidade, manteiga, fígado e gema de ovo.

Abordagem nutricional

No que toca a alimentação, os estudos parecem evidenciar uma ingestão benéfica de alimentos com elevado teor de ácidos gordos n-3, devido à sua função anti-inflamatória e promover uma diminuição do consumo de alimentos ricos em ácidos gordos saturados, dada a sua função pró-inflamatória. A ingestão de antioxidantes provenientes de hortofrutícolas bem como os ómegas 3 do peixe gordo devem ser privilegiados.

Devido ao papel importante da vitamina D nesta patologia, é fundamental garantir o seu rastreio para uma prescrição adequada.

No acompanhamento nutricional o nutricionista deve monitorizar o peso, dado que alguns doentes apresentam excesso peso ou obesidade que deriva na diminuição da locomoção e da medicação prescrita. Por outro lado, a apatia e diminuição do apetite derivadas da medicação, fadiga e depressão, podem resultar numa diminuição de peso e malnutrição.

A avaliação do risco nutricional é determinante para garantir um equilíbrio nutricional, corrigir potenciais carências e, consequentemente, aliviar sintomatologia e melhorar a qualidade de vida dos doentes.

Os estudos realizados até à data são promissores, no entanto é necessária mais investigação para determinar o papel da dieta e elaborar recomendações nutricionais na Esclerose Múltipla no sentido de otimizar o estado nutricional e qualidade de vida.  

Bagur, M. J., Murcia, M. A., Jiménez-Monreal, A. M., Tur, J. A., Bibiloni, M. M., Alonso, G. L., & Martínez-Tomé, M. (2017). Influence of Diet in Multiple Sclerosis: A Systematic Review. Advances in Nutrition: An International Review Journal, 8(3), 463–472

Munger, K. L., Levin, L. I., Hollis, B. W., Howard, N. S., & Ascherio, A. (2006). Serum 25-Hydroxyvitamin D Levels and Risk of Multiple Sclerosis. JAMA, 296(23), 2832.

Nunes, A. C. de F., & Piuvezam, G. (2019). Nutritional supplementation of vitamin A and health-related outcomes in patients with multiple sclerosis. Medicine, 98(25), e16043.

Piccio, L., Stark, J. L., & Cross, A. H. (2008). Chronic calorie restriction attenuates experimental autoimmune encephalomyelitis. Journal of Leukocyte Biology, 84(4), 940–948

Riccio, P. (2011). The molecular basis of nutritional intervention in multiple sclerosis: A narrative review. Complementary Therapies in Medicine, 19(4), 228–237

Riccio, P., & Rossano, R. (2015). Nutrition Facts in Multiple Sclerosis. ASN Neuro.

Riccio, P., & Rossano, R. (2017). Diet, Gut Microbiota, and Vitamins D + A in Multiple Sclerosis. Neurotherapeutics, 15(1), 75–91

Tas Kilic, D., Akdogan, A., Kilic, L., Sari, A., Erden, A., Armagan, B., … Karaahmetoglu, S. (2018). Evaluation of Vitamin B12 Deficiency and Associated Factors in Patients With Systemic Sclerosis. JCR: Journal of Clinical Rheumatology, 24(5), 250–254.

Voo, V., O’Brien, T., Butzkueven, H., & Monif, M. (2019). The role of vitamin D and P2X7R in multiple sclerosis. Journal of Neuroimmunology 7. Katz Sand, I. (2018). The Role of Diet in Multiple Sclerosis: Mechanistic Connections and Current Evidence. Current Nutrition Reports

Inês Santos Filipe

Nutricionista Holmes Place Cascais

ESCOLHER MOEDA

Advertisement

error: Content is protected !!
  • http://mediaserv33.live-streams.nl:8036/live
  • https://www.lifestyle.fm
  • LIFESTYLE FM